APRESENTAMOS O UVS 5 - COVID 19

 

TECNOLOGIA UVC

A radiação UVC é conhecida como germicida e tem sido aplicada na indústria em processos de desinfecção. Esta gama do espetro electromagnético, principalmente no intervalo de 250 nm a 270 nm, tem a característica única de inativar e eliminar micro-organismos, tais como vírus e bactérias.

A desinfecção ultravioleta não altera a qualidade do produto a desinfestar, logo não está sujeita a qualquer regulamentação de dosagem. Estudos recentes demonstraram que a radiação UVC é eficaz contra a maioria das bactérias, vírus e protozoários. Enquanto a desinfecção química danifica apenas a estrutura celular dos micro-organismos, a desinfecção por UVC tem como alvo o seu ADN, inativando-os e retirando a sua capacidade de reprodução.

 

PRODUTOS

PHOTO-2020-06-04-07-57-53 (1).jpg
PHOTO-2020-07-22-21-42-04.jpg

Hotelaria & Restauração

Com este equipamento vai garantir o máximo de eficiência das suas equipas,  com uma forma de operar muito fácil, com menos de 1 hora de formação qualquer utilizador poder operar a mesma

Industria Textil e Calçado

Com este equipamento pode esterilizar uma peça de roupa em menos de 1  Minuto, conseguindo manter seguro os provadores de roupa das suas lojas

 

PEÇA UM ORÇAMENTO

 

PERGUNTAS FREQUENTES

O QUE É A RADIAÇÃO UV

A radiação UV é uma das muitas frequências eletromagnéticas emitidas pelo sol.
Da totalidade de radiação emitida pelo Sol, uma pequena percentagem de raios UV chegam até a superfície terrestre. A atmosfera funciona como filtro, através da camada de ozono, sendo que a percentagem de radiação que chega até nós é a quantidade adequada para que a vida na Terra seja possível.
Existem três tipos de radiação UV e as suas propriedades são exclusivas de acordo com o seu comprimento de onda.
A radiação UV está compreendida entre os 100 nm e os 400 nm, sendo que:
UV-A vai dos 315 aos 400 nm
UV-B entre 280 e 315 nm
UV-C situa-se entre os 100 e os 280 nm

A RADIAÇÃO UV É PREJUDICIAL?

No nosso dia-a-dia já estamos expostos a partes do espectro UV. Geralmente, a exposição excessiva aos raios UV pode produzir efeitos adversos, dependendo do comprimento de onda, tipo e duração da exposição.
A radiação UVC inclui o comprimento de onda germicida de 253,7nm que é usado para desinfecção do ar e da água e de superfícies. 

COMO É QUE A RADIAÇÃO UVC AFETA OS ORGANISMOS?

Sim, existem várias referências científicas para a eficácia do UVC.
As primeiras observações científicas sobre os efeitos germicidas da radiação ultravioleta começaram com Downes e Blunt (1877) que relataram a inativação de bactérias de forma eficaz. Em 1885, Arlong e Duclaux demonstram que a luz solar tem um efeito letal sobre o Bacillus Arthacise o Tyrothrix Scaba. Em 1903, Barnard e Morgan identificam o espectro ultravioleta (UV) como biocida a 250 nanómetros (nm), sendo aferido para 253,7nm por Ehrismann e Noethling (1932). A primeira utilização de UV para a desinfeção de água potável terá sido em França, em Marselha em 1906.
Bedford (1927) e Gates (1929) foram os primeiros a estabelecer doses de UV para a desinfeção bacteriana.
Os primeiros estudos sobre irradiação de vírus foram publicados por Rivers e Gates (1928) e Sturm (1932). Nos anos 30 do séc. XX assistiram às primeiras aplicações de UV em hospitais para controlar infeções (Wells, Hart e Sanger 1939).
As primeiras tentativas de utilizar sistemas UV para controlar as infeções respiratórias nas escolas, ocorreu na década de 40. (Wells 1943, Wheeler 1945, Perkins 1947, Higgons 1947)
Nos anos 50, estava bem estabelecido que a irradiação UV era eficaz na desinfeção tanto de ar, como superfícies.
Em 1985 a Philips publicou um guia das aplicações das lâmpadas UV para o controlo do crescimento bacteriano.
Com Hirano (1978) temos o primeiro estudo da inativação com UV sobre o Murine coronavirus (MHV), seguindo-se Weiss (1986), Bernevirus, Saknimit (1988), Canine coronavirus (CCV), Duan (2003), SARS coronavirusCov-P9, Darnell (2004), SARS coronavirus (Urbani), Walker (2007), Coronavírus.

A RADIAÇÃO UVC É EFICAZ NA INATIVAÇÃO DE MICROORGANISMOS?

Sim, existem várias referências científicas para a eficácia do UVC.
As primeiras observações científicas sobre os efeitos germicidas da radiação ultravioleta começaram com Downes e Blunt (1877) que relataram a inativação de bactérias de forma eficaz. Em 1885, Arlong e Duclaux demonstram que a luz solar tem um efeito letal sobre o Bacillus Arthacise o Tyrothrix Scaba. Em 1903, Barnard e Morgan identificam o espectro ultravioleta (UV) como biocida a 250 nanómetros (nm), sendo aferido para 253,7nm por Ehrismann e Noethling (1932). A primeira utilização de UV para a desinfeção de água potável terá sido em França, em Marselha em 1906.
Bedford (1927) e Gates (1929) foram os primeiros a estabelecer doses de UV para a desinfeção bacteriana.
Os primeiros estudos sobre irradiação de vírus foram publicados por Rivers e Gates (1928) e Sturm (1932). Nos anos 30 do séc. XX assistiram às primeiras aplicações de UV em hospitais para controlar infeções (Wells, Hart e Sanger 1939).
As primeiras tentativas de utilizar sistemas UV para controlar as infeções respiratórias nas escolas, ocorreu na década de 40. (Wells 1943, Wheeler 1945, Perkins 1947, Higgons 1947)
Nos anos 50, estava bem estabelecido que a irradiação UV era eficaz na desinfeção tanto de ar, como superfícies.
Em 1985 a Philips publicou um guia das aplicações das lâmpadas UV para o controlo do crescimento bacteriano.
Com Hirano (1978) temos o primeiro estudo da inativação com UV sobre o Murine coronavirus (MHV), seguindo-se Weiss (1986), Bernevirus, Saknimit (1988), Canine coronavirus (CCV), Duan (2003), SARS coronavirusCov-P9, Darnell (2004), SARS coronavirus (Urbani), Walker (2007), Coronavírus.

O UVS É UM SISTEMA SEGURO

Sim, o UVS –  tem um sistema de segurança que permite o seu uso de forma segura. Após a programação do Violet – Ultra Cleaner existe um período de segurança em que o sistema não inicia para permitir a saída de pessoas do espaço a esterilizar. O Violet – Ultra Cleaner dispõem também de sensores de movimento que desligam o equipamento automaticamente na presença de movimento.
Em caso de avaria dos sensores de movimento, o equipamento não inicia o cliclo de execução.

O UVS PRODUZ OZONO?

Não, o O3 só é formado para irradiação com comprimentos de onda abaixo dos 230 nm (entre 100 nm e 230 nm, com pico nos 185 nm). Pelo contrário, entre os 240 e os 315 nm, a luz UV converte o O3 em O2 por um processo de fotólise. O pico de eficiência deste processo ocorre exactamente para os 245 nm.

 

Lisboa, Portugal

 
  • Facebook
  • Twitter

©2020 por UV - Covid 19. Orgulhosamente criado com Wix.com